Comércio de experiência: inovação e desafio para o mercado

Comércio de experiência: inovação e desafio para o mercado

O comércio de experiências é uma das grandes inovações dos últimos anos para os consumidores, e um desafio para empreendedores.

Agora, com o comércio de experiência, não basta apenas mostrar um produto ou serviço ao cliente em potencial. Ele pode provar primeiro.

O que é o comércio de experiência?

É cada vez mais comum os clientes terem suas vozes ouvidas e atendidas pelas empresas, marcas ou lojas.

São diversos os canais utilizados para conhecer os desejos e necessidades dos consumidores, como:

  • SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor);
  • Chat eletrônico;
  • Redes sociais. 

Mas o comércio de experiência coloca a empresa à prova antes mesmo de o consumidor realizar a primeira compra, ou se tornar um cliente.

A empresa precisa estar preparada para ser testada “ao vivo”, pelo próprio consumidor, da maneira como ele faria em casa, se o produto ou serviço já fosse seu. 

Além disso, deve estar pronta para receber feedbacks imediatos, inclusive os negativos.

Por outro lado, o comércio de experiência é uma ferramenta excepcional para quem deseja apresentar seu produto ou serviço ao público.

Além disso, é um grande apelo para estratégias de marketing, e com forte tendência de fidelização da clientela.

Experiências no comércio do interior

Muita gente deve se lembrar das visitas da infância às cidades interioranas, de São Paulo ou Minas Gerais, por exemplo.

Nesses passeios, há décadas é comum passar pelas ruas do centro e ver atendentes de lojas de alimentos oferecendo um pedaço de queijo ou um gole de licor, vinho ou suco.

Podemos dizer que esses foram os primórdios de um comércio de experiência, ainda que sem os recursos digitais e virtuais, porém, muito criativos e simpáticos.

Em corredores de supermercados também é comum sermos surpreendidos por funcionários que oferecem produtos aos clientes.

Seja um copo de café, de achocolatado ou um pedaço de carne, o cliente pode provar e conhecer uma marca nova que está fazendo o lançamento naquele município ou região.

Assim como as padarias, que deixam à disposição dos compradores fatias de pães, bolos e panetones.

Essas ações acontecem, especialmente, em ocasiões especiais ou datas comemorativas, sendo um exemplo real de comércio de experiência.

Experiências mão na massa

E para além de deixar que o consumidor prove os produtos, há uma tendência crescente no comércio de experiência.

É cada vez mais comum permitir que o cliente construa seu próprio produto, faça seu próprio alimento, e coloque a mão na massa para ter aquilo que deseja.

São experiências como fazer o próprio café e drinks, como nos workshops da boutique Nespresso na rua Oscar Freire em São Paulo. 

A loja como um todo permite sensações diversas, desde a chegada ao local com o aroma do café sempre presente.

Ali há também palestras sobre a bebida, e o check-in digital para reconhecimento do cliente no momento do pagamento. 

E a experiência é completa em eventos em que o consumidor pode criar a própria bebida, com cápsulas da marca em máquinas disponíveis para uso gratuito dos presentes.

Outro exemplo de experiência sensorial (e virtual) é a inovadora loja Kit Kat Chocolatery, localizada no MorumbiShopping, também na capital paulista. 

Ali o consumidor tem à disposição dezenas de sabores diferentes do chocolate, e que não estão à venda em supermercados tradicionais, como pistache, banana e algodão doce.

Há ainda espaço para crianças brincarem e adultos descansarem, além de uma cafeteria, onde o cliente pode harmonizar cafés com diferentes tipos de chocolate. 

No centro da loja há ainda um espaço para gamification, com realidade virtual, e a possibilidade de ganhar um chocolate se o jogador cumprir as tarefas e passar as fases.

E se você acha que acabou, ainda não! O ponto alto desse comércio de experiência está num display localizado no interior da loja.

Nele, o visitante pode simplesmente criar o próprio chocolate Kit Kat, selecionando na tela qual a base, o recheio e a guarnição que deseja. 

O doce personalizado é retirado na cozinha presente no local.

Experiências reais e virtuais

O MorumbiShopping, em São Paulo, tem sido um foco de comércio de experiência e inovação ao abrigar dezenas de lojas.

São marcas conhecidas do público, que permitem ao consumidor uma experiência ampla e muito divertida.

Não apenas para testar os produtos antes da aquisição, mas também como uma atração a mais para os visitantes.

São exemplos como o já citado da Kit Kat Chocolatory, e também da concorrente brasileira da marca, a Cacau Show.

A loja possui uma megastore no mesmo edifício que, além de vender as conhecidas trufas e bombons, existem muitas outras atrações para os clientes.

O espaço de 450 metros quadrados abriga um espaço kids com os Chocobichos, e o Cacau Lab, um laboratório para aulas, workshops e palestras para os visitantes.

Mas não só de comida se fazem experiências. No mesmo centro comercial, as famosas Riachuelo e Hering também modificaram suas lojas para flagships.

Ambas dispõem de muita tecnologia e espaços instagramáveis para promover a melhor sensação ao público.

Nessas lojas-conceito é possível, por exemplo, escolher uma peça de roupa apenas chamando um atendente pelo display conectado ao próprio provador. 

O usuário pode também efetuar a compra pelo celular, de qualquer lugar em que esteja, e retirar seu pedido em uma das cabines disponíveis dentro da loja.

Também em São Paulo, mas fora do MorumbiShopping, também existe comércio de experiência da Dengo chocolates.

A nova loja-conceito da franquia, a maior e mais bonita de todas, fica localizada na Avenida Faria Lima, na Zona Sul da capital.

A Fábrica de Dengo, como é chamado o espaço, o cliente faz uma visita guiada com explicações sobre todo o processo de fabricação do doce.

A loja permite que os clientes provem o nibs de cacau (semente), o chocolate drageado, e o sorvete de mel de cacau.

Na Fábrica de Dengo também é possível criar o seu próprio chocolate, além de imprimir uma fotografia pessoal na embalagem.

Tudo fica pronto em apenas 20 minutos.

Esses e inúmeros outros exemplos de comércio de experiência já acontecem no Brasil e em diversas cidades do mundo.
O comércio de experiência é um verdadeiro diferencial para marcas que desejam empreender e inovar para conquistar os novos clientes da atualidade.

Publicado por Ibraim Gustavo

Ibraim Gustavo: Jornalista, pós-graduado em Marketing e MBA em Comunicação e Mídia. Possui formação em Profissões do Futuro (O Futuro das Coisas) e no Programa de Capacitação da Nova Economia (Startse). Empreendedor, sócio-fundador e COO da Freestory.

Um comentário em “Comércio de experiência: inovação e desafio para o mercado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: